Violência contra a mulher - Precisamos falar sobre o assunto

Hoje o assunto é bem delicado. A Violência contra a Mulher é mais real e próximo do que se imagina. Pode estar acontecendo com sua irmã, vizinha, prima, amiga.


Mas por que eu vim falar desse assunto agora? Vou contar uma história triste que acabou de acontecer próximo a mim e que me chocou profundamente.

Uma mulher, diretora de uma escola particular, classe média, de uma família com pais e 2 irmãs, mãe de 2 crianças, foi assassinada pelo marido. Essa mulher era uma conhecida bem próxima, meu irmão namorou uma de suas irmãs, já viajamos juntas para Cabo Frio, em pleno carnaval. A notícia de sua morte me chocou de uma forma impressionante. 

Ela, casada com um homem abusivo, já havia sido espancada outras vezes por esse homem. Depois de anos de sofrimento, finalmente conseguiu enxergar o quão prejudicial era aquela relação e decidiu se separar. Longe, sua vida seria diferente, ela finalmente poderia ser feliz de novo. Ele, persuasivo como sempre, 10 dias depois de sua separação chamou a ex-esposa para uma conversa final. Ela, inocentemente, se dirigiu ao bar onde ele havia marcado, pensou estar segura em público. Porém o que aconteceu foi algo trágico demais. Esse homem a espancou, na frente de todos e tentou enforcá-la. Assim que ela desmaiou ele foi embora, achando que tinha terminado o "serviço". Mas ela estava viva e foi prontamente transferida para o hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias.

Assim que foi internada ela logo foi colocada em coma induzido pois a violência sofrida por essa mulher tinha sido muito intensa. Três meses se passaram, ela acordou, tentou andar, tinha perdido a voz, respirava com ajuda de aparelhos. Tentaram tirar os aparelhos, inclusive, mas sem sucesso. E depois desse tempo ela veio a falecer. Seu pulmão não aguentou, tinha sido comprometido em 80%. 

Essa história acontece todos os dias, em todos os cantos do Brasil. Fausto Silva, apresentador da Rede Globo, falou no último domingo (dia 6)  que mulher gosta de porrada. Ele, comunicador da grande massa, falou uma grandessíssima besteira. Mulheres morrem todos os dias por causa da violência doméstica. Essas mulheres sofrem agressões físicas e psicológicas. O que existem são mulheres aprisionadas em histórias de dor, Sr. Fausto Silva.


Engana-se quem pensa que só a mulher pobre, da periferia sofre esse abuso. Existem mulheres bem sucedidas que engrossam essa estatística alarmante. Essa amiga era diretora de escola, formada em Pedagogia. Trabalhou durante 15 anos na mesma escola, tinha sua carreira já estabelecido. 

Mulheres pobres, ricas, brancas, negras não estão ilesas de sofrer tão violência. Homens abusivos estão em todos os lugares, em todas as classes sociais. Munidos do sentimento de posse acham que possuem uma mulher e não esposa. Eles dizem: "MINHA mulher", esse minha diz muita coisa.


Normalmente as mulheres que sofrem violência têm vergonha de falar, de se expor. Muitas acreditam que os homens irão mudar. Outras tantas acham que não foi nada demais, que aquilo não irá se repetir. A maioria nem se dá conta de tal agressão, principalmente a psicológica. Na relação abusiva o homem sempre coloca a culpa de seus atos na mulher e ela acaba acreditando na sua "culpa". 

O que devemos é ajudar essa mulheres que passam por essa situação, conversar com elas, tentar entender seus motivos de permanecer nessa relação e ajudá-las. Muitas persistem na relação por dependência financeira, outras para não destruir a família. Tem também aquelas que são apegadas psicologicamente ao parceiro e acreditam que tudo vai passar ou as que querem se livrar mas o parceiro ameaça. Seja o motivo que for NENHUMA MULHER GOSTA DE SER AGREDIDA, todas elas estão na relação por algum tipo de dependência, seja ela financeira ou afetiva.

E também podemos ajudar através do Disque 180, da Secretaria de Políticas para as Mulheres. O 180 é um canal direto de orientação sobre direitos e serviços públicos para a população feminina em todo o país (fonte: www.spm.gov.br). Ele serve como um canal de ajuda a mulher agredida mas também de denúncia.

De acordo com as estatísticas o violência contra a mulher negra, nos últimos 10 anos, teve um aumento de 54% e de mulheres brancas reduziu em 9,8%. Isso é vitimismo? Devemos conversar ainda mais sobre essa estatística.
(fonte:http://agenciapatriciagalvao.org.br/wp-content/uploads/2015/11/MapaViolencia_2015_homicidiodemulheres.pdf)

Caso estejam diante de tal violência liguem para 180 e denunciem. Devemos fazer uma corrente do bem e ajudar aquelas que não conseguem se ajudar. Todos devemos fazer a nossa parte.

E você mulher, que passa por isso calada, REAJA. Converse com alguém próximo, procure ajuda. Você não merece esse sofrimento, a vida está cheia de oportunidades maravilhosas, insistir nessa relação só irá te destruir.


   "Gostou?Então clica no G+ abaixo e nos ajude na divulgação.
Obrigada!"


Acompanhe A Negra e seus Tons:
Compartilhe:

Comente com o Facebook:

15 comentários

  1. Aqui em casa meu pai discute muito com a minha Mãe, mas longe dele triscar um dedo nela. Precisamos acima de tudo nós conscientizar da importância que temos em denunciar, não podemos nós calar diante desse tipo de situação, ninguém é obrigado a nada!
    www.bloganyduarte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigas entre casais é normal. Existe entre irmãos, pais e filhos mas violência é inaceitável.
      A denúncia é a nossa arma.
      Bjus, princesa ♥

      Excluir
  2. Muito pertinente este tema. Infelizmente não é de hoje que algumas mulheres sofrem com a violência.
    Infelizmente sua amiga será mais uma na estatística.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, infelizmente. Eu fiquei arrasada com a história dela. Foram 3 meses de muita luta e o final foi trágico. Agora é ajudar mais mulheres para que não aconteça com mais ninguém.
      Bjus

      Excluir
  3. Esse é um assunto importante, infelizmente a violência contra a mulher persiste mesmo havendo leis como a Lei Maria da Penha que parece que não serve pra nada, o homem agride, mata a mulher e no final ele fica livre. Até quando essa situação vai continuar, era pra ter mais divulgação na mídia sobre esse assunto, a mulher não pode se calar ela precisa falar, pedir ajuda, muitas vezes a mulher se cala porque não tem com quem contar, Murielly bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é muito verdade, muitas mulheres não confiam em ninguém para edir ajuda. Agora com o 180 ela pode saber que tem um lugar pra denunciar sem se expor tanto.
      Bjus

      Excluir
  4. Esse tema realmente precisa ser abordado porque é algo frequente na nossa sociedade

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do conteúdo do seu post, é uma boa iniciativa! Um assunto muito sério e que precisa ser mais valorizado!
    Adorei conhecer o seu blog, um amor! Um beijo.

    www.esteticando-se.com

    ResponderExcluir
  6. Um ótimo tema para se abordar, minha amiga.. Conheço também algumas situações parecidas, que não chegaram a tal ponto, mas que não deixam de ser um grande absurdo. Devemos ter mais cuidados e cuidar de nós mesmas. Beijos =*

    ResponderExcluir
  7. Seu post me surpreendeu, não costumo ouvir falar sobre esses temas com frequência, o que é muito errado, pois acho que devia ser muito mais abordado, é um tema complicado e muito difícil de ler, vamos cada violência horrível contra as mulheres, fico indignada!!

    ResponderExcluir
  8. É horrivel pensar que somos tidas como "sexo fragil" talvez por algumas de nós não termos forças o suficiente para enfrentar um homem, aqui onde moramos começou uma onda de crimes contra as mulheres e não conseguimos nos sentir seguras, Sempre bom que a mulherada aprenda a reagir não com força, mas denunciando, ja faz toda diferença. xoxo

    ResponderExcluir
  9. Esse é um tema que me deixa triste... Como essa, também conheci mulheres que viviam e ainda vivem esse tipo de relação. Ao meu ver quando um relacionamento chega as vias de fato, não existe mais amor nele. Me doí ver mulheres que "aceitam" viver assim. Já vi mulheres que foram para a delegacia e dias depois de serem agredidas pelo companheiro tirarem a queixa e ainda voltarem para o cara. É um assunto muito delicado e nós temos que nos unir para ajudar aquela amiga que vive esse tipo de relação.
    Amei seu post! Arrasou minha gêmula!
    Bjos

    ResponderExcluir
  10. Acredito que isso possa acontecer com mulheres próximas a mim e eu não sei!
    Eu não entendo o que se passa na cabeça desses homens e dessas mulheres que vivem numa relação que chegou a esse ponto, principalmente elas que não tomam uma atitude, acho bem relativo porque alguns casos tem muitas coisas envolvidas que de certa forma nem vem ao caso, que deveriam sim denunciar, mas tem medo. Lamentável! Muito bom o seu post.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Mury este teu post é maravilhoso.
    E realmente isso não acontece só com mulheres pobres, infelizmente isso vem se agravando a cada dia mais em todas as classes sociais. É muito triste ver esses casos acontecerem.
    Bjus!

    ResponderExcluir
  12. Um assunto muito importante Mury!
    Na minha adolescência convivi com o sofrimento de uma amiga que tinha o pai espancando a mãe, quando bebia. Há 30 anos atrás denunciar não era algo comum e ninguém queria "meter a colher". O tempo foi passando, eles se mudaram e no novo endereço, muitos vizinhos próximos, decidiram chamar a polícia. Foram, pelo menos, 10 vezes que a polícia foi intervir e todas as vezes a mulher inocentava o marido. Triste de se ver... Mais triste ainda é saber que, 30 anos depois, isso continua acontecendo.
    Bjs!

    ResponderExcluir

Qualquer comentário que agrida ou ofenda a administradora ou qualquer outro(a) leitor(a) será imediatamente excluído.
Fiquem a vontade para comentar,o espaço é seu.

Comentários recentes



Visualizações da página

Arquivos